Resenha: O Poder

by - 11:23


Já estou de olho no livro O Poder há alguns meses. Quando The Power começou a fazer um barulhinho lá fora, procurei saber mais sobre essa história tão diferente, única e incrível. Esse livro ficou na minha cabeça até que para a minha surpresa, alguns meses depois, a Planeta de Livros anunciou The Power em seu catálogo. Quando finalmente tinha o livro em mãos mal pude conter a ansiedade para lê-lo.

O que eu achei da leitura? Confira a resenha de O Poder e saiba mais sobre essa narrativa eletrizante:

"Em um futuro próximo, as mulheres desenvolvem um estranho poder: elas se tornam capazes de eletrocutar outras pessoas, infligindo dores terríveis... até a morte. De repente, os homens se dão conta de que não estão mais no controle do mundo."



FICHA TÉCNICA
Título: O Poder
Autora: Naomi Alderman
Ano: 2018
Páginas: 368
Idioma: Português
Editora: Minotauro (Planeta de Livros)
Nota: 5/5  
Compre: Amazon 
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza





O Poder é um livro que chama a atenção desde a sinopse. Em meio a tantas lutas em busca da igualdade de gênero, esbarrar com um livro que narra um mundo onde as mulheres detém o poder é extremamente instigante. O enredo já começa de forma eletrizante (perdoem o trocadilho) e Naomi já começa a estabelecer as bases da história desde o começo. Os personagens são apresentados logo de cara e, apesar do estranhamento inicial devido às histórias paralelas, é fácil se acostumar à proposta da autora.

A história é contada por meio da trajetória de quatro protagonistas; três mulheres e um homem, e todos têm papéis bem diferentes, mas igualmente importantes para a construção da narrativa. Allie é uma jovem que, ouvindo uma misteriosa voz interior, se torna Mãe Eva, a líder espiritual e política das mulheres de todo o mundo e responsável por guiar a população rumo à revolução. Margot é a prefeita de uma cidade norte-americana que começa a ascender na carreira política para propagar sua ideia para essa nova ordem mundial. Roxy é filha de um mafioso que, com a descoberta do poder, passa a se tornar a chefe da máfia. Tunde é um jovem que se descobre repórter ao gravar o primeiro vídeo do uso do poder por parte das mulheres e que se torna um ícone no que diz respeito à documentação dessa revolução e influenciador jornalístico.

 “Noor coloca dois dedos sobre a palma da mão da mulher e mostra a ela como usar aquilo que devia estar sempre dentro dela, devia estar esperando aqueles anos todos da vida dela para vir à tona. É assim que funciona. As mulheres mais novas despertam aquilo nas mais velhas; mas de agora em diante toda mulher terá aquilo.” Página 73

O Poder narra uma realidade em que as novas mulheres já nascem com o poder de emitir choques elétricos. Apesar das mais velhas não manifestarem esse poder, as mais novas podem ajuda-las a despertar esse tom que, de alguma forma, sempre esteve presente. Saber que aquele poder sempre esteve dentro delas é uma bela metáfora para a luta que atualmente está ganhando cada vez mais força por causa do movimento feminista e que vem dando cada vez mais confiança e estrutura para que meninas e mulheres do mundo todo se imponham e busquem seus direitos. Os direitos conquistados daqui pra frente sempre pertencerão a todas as mulheres, independente de qual idade elas tenham ou de onde elas vieram.


O final de cada capítulo é composto por ilustrações de aparatos ou ferramentas usadas durante a ditadura das mulheres. São instrumentos e relatos que imitam escavações arqueológicas com ilustrações e descrições bem explicativas. Assim como a própria história, esses instrumentos invertem o papel opressor e oprimido, sendo a mulher a opressora. Atualmente, em algumas culturas a mulher tem os órgãos genitais mutilados de forma a não sentir prazer durante o ato sexual. Um dos objetos descritos no livro, por exemplo, faz referência a uma ferramenta capaz de cauterizar terminações nervosas do órgão genital masculino para que ele só tenha ereções quando uma mulher usar o poder para estimulá-lo.




“O estopim da revolta foi a morte de duas garotas, de mais ou menos doze anos. Um tio pegou as duas treinando sua bruxaria juntas; religioso, ele convocou seus amigos, e as meninas lutaram para não ser punidas e de algum modo acabaram espancadas até a morte. E as vizinhas viram e ouviram. E – quem pode dizer por que essas coisas aconteceram na quinta-feira, quando tudo podia ter passado despercebido na terça-feira? – elas revidaram. Uma dúzia de mulheres se transformou em cem. Cem viraram mil. A polícia recuou. As mulheres gritaram; algumas fizeram cartazes. Elas entenderam a força que tinham, todas ao mesmo tempo.” Página 70

O livro é um belo tapa na cara e, nas palavras de Pam Gonçalves, uma paródia do patriarcado. Toda a narrativa é elaborada de forma a construir o momento final, o confronto que define de forma irrevogável a nova origem mundial. A própria divisão de capítulos é feita com base em uma contagem regressiva que leva ao clímax da revolução das mulheres.

O livro todo é baseado em traumas e vinganças. As principais motivações dos protagonistas envolvem revanches e escolhas feitas com base em traumas passados. Quando as mulheres se descobrem fisicamente mais poderosas que os homens, uma nova realidade se torna uma possibilidade concreta e, com a união das mulheres de todo o mundo, começa uma ditadura matriarcal em que os homens têm seus direitos retirados, direitos como o voto, permissão para dirigir e emprego. Direitos que as mulheres viveram séculos sem poder usufruir e que precisaram lutar por anos e anos para conquistar são retirados dos homens.

O Poder é um exemplo de livro com uma boa caracterização e contextualização do momento histórico em questão sem precisar de descrições excessivas. Naomi escreve de forma objetiva, sem muitas delongas e tendo a trajetória dos personagens como foco principal. Cada um deles contribui de alguma forma para a revolução e seus pontos de vista representam de forma bem inteligente as visões de diferentes estruturas dessa sociedade, indo desde uma pequena menina que nasceu com esse novo poder e precisou usá-lo para sobreviver à violência, buscando refúgio em abrigos, até mulher adulta com um cargo político importante que precisa se acostumar a essa nova e inquietante realidade. O fato de ter um homem como um dos protagonistas também ajuda a enriquecer a narrativa, ainda mais colocando-o como um repórter que vê de perto todo esse processo de mudança. 

O começo do livro é um pouco confuso, Naomi não segue uma narrativa completamente linear e isso acaba causando certo estranhamento no começo da leitura. O livro começa com uma troca de mensagens entre Neil e Naomi e não somos apresentados a essas personas. Neil fala para Naomi que gostaria que ela lesse seu manuscrito sobre um mundo onde os homens detinham o poder e explica que houve uma reviravolta que colocou as mulheres no topo da pirâmide hierárquica. Ele descobre isso com base em descobertas arqueológicas e registros históricos que descrevem uma era pré matriarcado. A história de O Poder é, na verdade, o manuscrito de Neil, mas isso só fica claro ao final do livro, quando Naomi escreve seus comentários a respeito da leitura.

O nome da autora e o final da troca de mensagens sugere que ela tenha roubado o original do homem ou que a autora tivesse feito uma brincadeira fingindo que um homem alterou o nome dele e colocou como de uma mulher para ser mais aceito em um mundo dominado por mulheres. Fato que acontece com frequência na nossa realidade, não é mesmo?

Naomi Alderman cria uma história que mostra da forma mais crítica possível como o poder corrompe e como o ser humano está fadado a se corromper. Um ponto muito interessante e que gera reflexão é apresentado em meio a um diálogo em que duas personagens discutem o porquê de terem cometido um ato de violência e a resposta é “porque podemos”. Ao longo da história somos levados a refletir sobre igualdade, sobre poder, sobre empatia. Somos obrigadas a pensar “o que faríamos se tivéssemos tamanho poder? Buscaríamos igualdade e justiça ou seríamos corrompidas e tentadas a inverter os papéis?”. Uma das reflexões propostas no livro se destacou com o título. O título do livro pode ser entendido de duas formas: o poder de emitir choques elétricos e o poder como estado de poder, como o fato de ter o poder em relação a outra pessoa.


O Poder é uma narrativa extremamente inteligente, construída nos detalhes e com cenas que rendem reflexões infinitas, tanto no que diz respeito ao patriarcado quanto à corruptividade do ser humano. Um dos diálogos mais marcantes do livro resume bem a força de impacto dessa narrativa: “Não importa que ela não dava fazer, que ela jamais o fará. O que importa é que ela poderia, se quisesse. O poder de machucar é uma espécie de riqueza.”

O Poder é um livro que merece uma segunda e terceira leitura, Naomi constrói uma narrativa extremamente crítica nas nuances de seus personagens. É difícil absorver tudo apenas com uma leitura uma vez que várias críticas se tornam mais explícitas e duras ao longo da leitura. Como é um livro diferente de tudo, o estranhamento inicial pode prejudicar uma visão mais atenta à narrativa. Não é um livro com uma narrativa toda mastigada. Suas críticas são construídas nos detalhes e cada um terá uma experiência única lendo essa história. São críticas sutis, mas poderosa. É difícil encontrar um livro que trate de uma temática tão atual de forma tão inteligente e impactante.

O Poder é um livro exatamente interessante para ser lido pelos olhos de um homem também. Enquanto as mulheres sentem que, de certa forma, é uma justiça ver as mulheres tomando o poder e buscando seus direitos, os homens, ao lerem a história de Naomi Alderman, poderão sentir um pouco o que é ser uma mulher, o que é estar no lugar do oprimido e não do opressor no que diz respeito à busca pela igualdade de gênero. É um livro que tira todos os leitores de um lugar comum ao apresentar uma poderosa e extrema inversão de papéis. O Poder é um livro que me fez ficar arrepiada em diversos momentos da leitura e é um livro que tem tudo para virar um clássico.

 “Um deles diz:
- Por que eles fizeram isso, [...]?
E o outro responde:
- Porque eles podiam.
E essa é a resposta para tudo.” Página 316


Quer ficar por dentro de todos os posts do Nostalgia Cinza? Então assine a newsletter! É só colocar seu email, prometo não encher sua caixa de entrada <3

You May Also Like

13 comentários

  1. Esse livro parece ser o oposto de O Conto da Aia (onde as mulheres se tornam "escravas"), já vou adicionar na minha listinha, pois pela resenha, esse livro parece ter um ótimo potencial =D
    Beijinhos <3

    Toca da Lebre

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, como vai? Confesso que ainda nao conhecia esse livro, mas eu achei a historia, super interessante, acredito que seja uma ótima escolha para ler beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá! Não conhecia este livro, mas me parece um livro muito bom para se ler e refletir, colocarei na minha lista de leitura do mês de agosto. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia esse livro, mais achei mega interessante!

    ResponderExcluir
  5. Cpa perfeita, titulo convidativo e temática revolucionária! Como n amar??? <3

    ResponderExcluir
  6. adoro livros com temática revolucionária, otimo para refletirmos, gostei muito da resenha.

    ResponderExcluir
  7. Com certeza é instigante, o mundo ainda é muito machista e um livro voltado ao "poder das mulheres" chama super a atenção

    ResponderExcluir
  8. Embora nós conseguimos muitos direitos nesse mundo, ainda há um machismo muito grande.
    Eu estou lendo o livro da Mary Kay Ash e ela relata como sofreu por ser mulher antes de alcançar seu sucesso no mundo.
    Pelo que você descreveu, The Power deve ser mesmo muito bom.
    Vou colocar na minha lista.

    ResponderExcluir
  9. Uau, que interessante!
    Gostei muito da sinopse, vai entrar para minha lista <3 Bjs

    ResponderExcluir
  10. Achei super interessante esse livro, desde a capa, a sinopse e até as ilustrações no fim de cada capítulo, gostei da sua resenha

    ResponderExcluir
  11. Eletrizante esse enredo (me perdoe o trocadilhos rss), não conhecia esse título e fiquei mega curiosa pra descobrir o desfecho!

    ResponderExcluir
  12. Muito bom esse POST, preciso ler esse livro,já amei😍

    ResponderExcluir
  13. to muito apaixonada por esse livro!
    deve ser um livro e tanto, vou colocar na lista de quero

    ResponderExcluir