Resenha: Ela Disse: os bastidores da reportagem que impulsionou o #MeToo

by - 08:37


Em 2017, um burburinho em Hollywood se tornou um escândalo que cresceu até se tornar um movimento global. Você deve ter ouvido falar do #MeToo, que deu voz a centenas de atrizes norte-americanas que confessaram anos de abuso e assédio por parte do alto escalão da indústria do entretenimento e abriu as portas para o começo do fim da tolerância ao assédio e abuso sexual. Ela Disse conta em detalhes os bastidores da reportagem que impulsionou o #MeToo e representou um marco para o jornalismo investigativo do século 21. Saiba mais!

"Como duas jornalistas conquistaram a confiança de dezenas de mulheres, expuseram os casos de assédio de Harvey Weinstein e deram um dos maiores furos jornalísticos da década em uma reportagem que alçou o movimento #MeToo à escala global.
Em 5 de outubro de 2017, as jornalistas Jodi Kantor e Megan Twohey, do New York Times, publicaram uma reportagem bombástica, que mudaria para sempre o debate sobre assédio e abuso sexual.
A partir de uma longa e delicada pesquisa, elas descobriram que Harvey Weinstein ― produtor de Hollywood responsável por construir e alavancar a carreira de atrizes como Gwyneth Paltrow e Jennifer Lawrence ― não apenas assediava mulheres, mas tinha a seu favor uma rede antiga e eficiente de advogados que comprava o silêncio das vítimas em troca de vultosos pagamentos. A revelação foi o estopim para que outras mulheres ― famosas e anônimas ― compartilhassem suas histórias, fazendo do #MeToo um movimento global e que atingiu praticamente todos os setores da vida pública.
Com uma riqueza de detalhes extraordinária, Kantor e Twohey descrevem os bastidores eletrizantes de uma das reportagens mais importantes da década, refletem sobre o futuro do #MeToo e do feminismo e trazem testemunhos das mulheres que se manifestaram ― pelo bem de outras, das gerações futuras e delas mesmas."

FICHA TÉCNICA
Título
: Ela disse: Os bastidores da reportagem que impulsionou o #MeToo
Autoras: Jodi Kantor e Megan Twohey
Ano: 2019
Páginas: 288
Idioma: Português
Editora: Companhia das Letras
Nota: 4/5
Compre: Amazon
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza
LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA




Onde você estava quando Harvey Weinstein foi desmascarado por dezenas de mulheres assediadas por ele? Lembro que eu estava na academia, ouvindo o podcast The Daily, do The New York Times. Por lá o escândalo estava começando a estourar e ainda não se falava com tamanha força disso tudo por aqui. Lembro de ter me perguntado quem era esse homem que afetou de forma tão destrutiva a vida de tantas pessoas, de tantas mulheres, algumas delas verdadeiras estrelas do cinema e do entretenimento. Em pouco tempo a internet já começou a borbulhar com outras mulheres se pronunciando e compartilhando histórias de abuso e nomes de assediadores. O #MeToo, que havia começado como um movimento de ajuda para mulheres vítimas de violência doméstica, agora ganhava o mundo em uma verdadeira onda de sororidade.

“Após revelar os os assédios e abusos sexuais supostamente cometidos por Harvey Weinstein numa matéria de 5 de outubro de 2017, vimos, perplexas, o muro de uma represa se romper. Milhões de mulheres no mundo todo contaram suas próprias histórias de assédio. Muitos homens de repente tiveram de arcar com as consequências de seu comportamento predatório, em um momento de prestação de contas sem precedentes. O jornalismo havia ajudado a inspirar uma mudança de paradigma. Nosso trabalho foi apenas um dos catalogadores dessa mudança, que vinha sendo construída havia anos graças aos esforços pioneiros de feministas e acadêmicas, como Anita Hill, Tarana Burke (a ativista que fundou o movimento #MeToo) e muitas outras, incluindo colegas jornalistas.” Página 10 


Pouco se fala a respeito da criadora do #MeToo, o movimento que atingiu uma escala global e escancarou episódios de assédio e abuso sexual na indústria do entretenimento. Tarana Burke, ativista e novaiorquina do Bronx, foi a responsável pela origem desse catalisador. Em 2006, Burke fundou o movimento Me Too e começou a usar essa frase para aumentar a consciência acerca da crescente generalização do assédio e abuso sexuais na sociedade norte-americana. Em Ela Disse, as autoras mencionam Burke algumas vezes e espero que a ativista ganhe mais espaço nas próximas discussões a respeito do #MeToo.

Em Ela Disse, Jodi Kantor e Megan Twohey descrevem as motivações e as decisões dolorosas e arriscadas das primeiras fontes corajosas a quebrar o silêncio que rodeava Weinstein e toda a indústria do entretenimento norte-americano. Segundo as próprias autoras, “o título Ela Disse é intencionalmente complicado/ escrevemos sobre aquelas que disseram algo, sobre as que decidiram não o fazer e sobre as nuances de quando, como é por quê”. No livro as autoras explicam como provaram a existência de um padrão de comportamento com base em relatos pessoais, documentos financeiros e legais, memorandos de empresa etc, em meio à ebulição do conceito de fake news e da crescente onda de desconfiança em torno do jornalismo.


Uma figura muito mencionada pelas autoras é Rose McGowan. Conhecida por suas polêmicas, Rose é porta-voz de movimentos pelas minorias e, infelizmente, entra na lista de mulheres feridas por Hollywood e seus poderosos. Ela Disse fala sobre o envolvimento de McGowan na apuração da reportagem e menciona que a atriz estava começando a trabalhar em seu livro de memórias, que já apareceu em uma resenha por aqui. Em CORAGEM ela escancara a porta de sua vida e convida o leitor a conhecer os bastidores de uma indústria até pouco tempo inabalável. Com reflexões e relatos, Rose escreve uma autobiografia doída, mas extremamente necessária.

“Ela Disse traz o relato de dois anos espantosos na vida das mulheres dos Estados Unidos e de outras partes do mundo. Essa história pertence a todas nós que a vivemos: ao contrário de algumas investigações jornalísticas que lidam com segredos governamentais ou corporativos, aqui falamos de experiências que muitas de nós reconhecemos de nossa própria vida, do ambiente de trabalho, da família e da escola. Mas escrevemos este livro de modo a nos aproximar tanto quanto possível do ponto de partida.” Página 14


O livro também é uma importante referência para quem busca entender melhor as nuances e minúcias do processo investigativo dentro do jornalismo. Conseguimos perceber o cuidado em proteger as fontes, o interesse em manter a história o mais objetiva e informativa possível, o afinco para garantir a veracidade das informações, o cuidado de entregar um produto jornalístico íntegro e imparcial, dando a chance para que o acusado se defenda. Ela Disse é uma prova irrefutável da importância do jornalismo como ferramenta de luta social e como quarto poder dentro de uma sociedade.

O livro também da destaque para as mulheres que participaram dos bastidores da apuração e investigação da reportagem, incluindo Rebecca Corbett, uma das mais reverenciadas jornalistas estadunidenses. Mesmo que não apareça tanto na mídia, ela tem um papel fundamental no apoio e edição de algumas das matérias mais impactantes dos últimos anos nos Estados Unidos.

“As reportagens sobre Weinstein foram como um solvente desfazendo o sigilo, levando mulheres de todo o mundo a revelar experiências semelhantes. O nome Harvey Weinstein se tornou um argumento para coibir a conduta imprópria, evitando que prosseguisse incontrolável durante décadas, um exemplo mostrando como transgressões menos graves podiam levar a outras mais sérias. Formava-se o consenso de que denunciar o assédio e o abuso sexual era uma atitude admirável, e não vergonhosa nem desleal. Aquela história Sérvia de alerta para como esse tipo de comportamento podia se tornar um grave risco para os empregadores. Acima de tudo, marcou o surgimento de um consenso em torno de condutas como a de Weinstein: eram inequivocamente erradas e não podiam ser toleradas.” Página 234


Ela Disse é também um belíssimo exemplo da minuciosidade e da importância do jornalismo investigativo. As autoras ilustram de forma exemplar como o sistema jurídico e a cultura corporativa, e não apenas a estadunidense, diga-se de passagem, serviram para silenciar as vítimas e ainda inibem a mudança.

Como mulher foi um privilégio ter podido ver, em primeira mão, os desdobramentos da reportagem enquanto eles aconteciam. Foi um alívio poder ver, enquanto começava minha vida adulta, que eu estava crescendo em uma sociedade que começava a ser cada vez mais obrigada a ouvir as pautas das minorias políticas e sociais. Como mulher, observar o mundo sendo forçado a arrancar alguns pedaços das suas viseiras, é uma benção. Ela Disse serve como um registro poderoso de como as mulheres tiveram e ainda têm que lutar arduamente por seus direitos mais básicos em um mundo pautado pelo machista e misógino status quo. As mudanças são lentas, dolorosas e hercúleas, mas elas acontecem e estão acontecendo.

Gostou da resenha e quer conhecer outro título com temática semelhante? Então confira CORAGEM!

FILMES E SÉRIES PARA ASSISTIR DEPOIS DE LER "Ela Disse"


“Se a história não fosse contada, nada mudaria. Problemas que não são vistos não podem ser enfrentados. No nosso mundo jornalístico, a matéria era o fim, o resultado, o produto final. Mas, no mundo como um todo, o surgimento de novas informações era apenas o começo - da conversa, das atitudes, da transformação” Página 330


Inscreva-se na newsletter para ter acesso a conteúdos exclusivos sobre o mercado editorial, literatura e ainda fica à par dos lançamentos mais aguardados. Faça parte da newsletter feita para os amantes dos livros ♥

You May Also Like

1 comentários

  1. Olá!
    Gostei de saber que virou livro. Me lembro bem do burburinho que começou e a repercussão que se deram em muitos casos e acho importante ter esse tipo de discussão e além disso importante demais falar sobre o assunto. cada vez que deixamos de falar algo do tipo que acontece isso pode afetar mais pessoas.
    Sei que é um tema delicado mas, essencial de ser abordado e discutido em várias modalidades.
    Beijos.


    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir