Resenha: Os Segredos que Guardamos

by - 11:27


Narrativas envolvendo espiões sempre foram algumas das favoritas entre os amantes de ficção. Entretanto, os grandes enredos sobre espionagem sempre tiveram como foco protagonistas masculinos. Como seria se soubéssemos a verdade por trás de algumas das maiores e mais secretas missões e descobríssemos que os nomes por trás de seu sucesso foram, na verdade, femininos?

Inspirado em uma missão real da CIA durante a Guerra Fria, Os segredos que guardamos mostra, de maneira romanceada, como a Agência de Inteligência americana apostou em Doutor Jivago, uma das obras-primas do século XX, para mostrar aos soviéticos o poder de mudança da literatura. Confira a resenha de Os segredos que guardamos!

"O plano era simples: imprimir no exterior Doutor Jivago em russo e contrabandear exemplares da obra que teve sua publicação proibida na União Soviética por ir contra a ideologia do Estado. Para tanto, a experiente e glamorosa espiã americana Sally Forrester deve treinar a novata Irina, uma simples datilógrafa da Agência, a fim de infiltrar o texto no país natal de seu autor, Boris Pasternak, vencedor do Prêmio Nobel com esta obra, porém obrigado por seu governo a rejeitá-lo.

Apesar de todo o potencial revolucionário, Doutor Jivago é também uma brilhante história de amor. A inspiração por trás de Lara, a icônica heroína da trama, é Olga Ivinskaia, musa de Pasternak. Os dois mantiveram um caso por décadas, uma relação intensa que sobreviveu à passagem do tempo, às ameaças de um regime autoritário e até aos anos de Olga em um gulag.

Assim, mulheres de ambos os lados da Cortina de Ferro protagonizam essa obra que mostra que, embora a história seja escrita pelos vencedores, é nos bastidores que o destino do mundo é forjado. Amantes, espiãs, datilógrafas. Fortes e corajosas, essas personagens ganham vida nessas páginas e são exemplos de que determinados segredos não devem ser guardados."

FICHA TÉCNICA
Título
: Os segredos que guardamos
Autora: Lara Prescott
Páginas: 368
Ano: 2020
Editora: Intrínseca
Nota: 4
Compre: Amazon
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza
LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA




Doutor Jivago é considerado por muitos como o maior e mais importante romance da Rússia pós-revolucionária, rendendo a Boris Pasternak um Nobel de Literatura. O livro traz à luz o drama e a imensidão da Revolução Russa pela história do médico e poeta Iúri Andréievitch Jivago em seu constante esforço de se colocar em consonância com a Revolução. Por seus olhos hesitantes o leitor testemunha a eclosão e as consequências deste que foi um dos eventos mais decisivos do século. Em tempos em que a simples aspiração a uma vida normal é desprovida de qualquer esperança, o amor de Jivago por Lara e sua crença no indivíduo ganham contornos de um ato de resistência.

Seguindo a tradição do romance épico russo, Pasternak evoca um período historicamente crucial e retraça um panorama completo da sociedade da época, o que, claro, não agradou a todos. Doutor Jivago foi publicado originalmente em 1957, fora da União Soviética, onde só foi publicado oficialmente em 1987, 27 anos após a morte de Boris Pasternak. Os segredos que guardamos recria a sociedade russa e americana durante a Guerra Fria, tendo como elemento central o livro Doutor Jivago e uma missão real da CIA.

“Doutor Jivago - um nome que, a princípio, algumas de nós tiveram problemas para soletrar - foi escrito pelo escritor vivo mais famosos dos soviéticos, Boris Pasternak, e proibido no Bloco do Leste em razão de suas críticas à Revolução de Outubro e da chamada natureza subversiva.

À primeira vista, não ficou evidente como um épico sobre o amor fadado à ruína entre Iúri Jivago e Lara Antipova poderia ser usado como arma, mas a Agência era sempre criativa.” Página 142


A Guerra Fria foi um período histórico que praticamente dividiu o mundo em dois grandes blocos ideológicos após a Segunda Guerra Mundial: aqueles a favor dos Estados Unidos e aqueles a favor da União Soviética. Ambos disputariam a hegemonia política, econômica e militar no mundo até a extinção da URSS em 1991. E não são raras as histórias de célebres espiões e missões secretas das Agências de Inteligência de ambos os países. O que pouco se fala é como a literatura também teve um papel fundamental nessa batalha ideológica.

O livro aborda o protagonismo de mulheres dos dois lados da cortina de ferro e como elas foram responsáveis por virar o jogo para ambos os lados. Os segredos que guardamos mostra como as datilógrafas eram importantes, como uma mulher podia, ao mesmo tempo, ser um trunfo e um fardo para as missões secretas e como uma história de amor pode ser a chave para uma revolução, tanto dentro quanto fora das páginas de um livro.


Além do próprio romance vivido pelos protagonistas de Doutor Jivago, as protagonistas de Os segredos que guardamos também se veem em suas próprias histórias de amor, mais reais e emocionantes do que eu esperava, o que foi uma surpresa extremamente positiva tanto para a leitura quanto para o envolvimento emocional do enredo. Além disso, Lara Prescott decide abordar questões que dão uma profundidade maior ao livro.

Mesmo que o foco seja recriar quase que uma biografia de Pasternak e seu livro, ao mesmo tempo em que usa de personagens fictícios como condutores da narrativa, Doutor Jivago ajuda bastante a dar uma ideia do contexto histórico, político e ideológico da época. É um bom recorte de um momento que rende tantas criações literárias, e Os segredos que guardamos consegue se destacar nesse sentido.

“Eu tinha me candidatado para ser datilógrafa, mas eles me deram outro cargo. Será que viram algo que eu não via em mim mesma? Talvez só tenham olhado para o meu passado, para a morte do meu pai, e souberam que eu faria qualquer coisa que me pedissem. Mais tarde, me disseram que uma raiva tão profunda assim garante um tipo de lealdade à Agência que o patriotismo jamais garantiria.” Página 126


Um ponto interessante abordado pela autora é o súbito esquecimento do papel fundamental das mulheres durante a Segunda Guerra Mundial. Para cobrir a lacuna deixada pelos homens que foram servir o país, as mulheres se tornaram importantes braços na mão-de-obra dos Estados Unidos, ganhando espaço e descobrindo potencialidades.

Entretanto, ao final da guerra, muitas foram renegadas às condições de origem ou designadas a trabalhos pouco expressivos. Pensando nisso, é interessante observar a escolha da autora de abordar as datilógrafas e o papel de espiãs que algumas delas passaram a desempenhar, ainda mais em missões tão significativas como a envolvendo Doutor Jivago.


É interessante como ficção e realidade se misturam nessa obra. O que, a princípio, parecia apenas uma ficção inspirada em uma missão real, se mostra um enredo complexo, com personagens reais e muito embasamento histórico. Não à toa, ao final do livro, a própria autora agradece as diversas fontes que contribuíram para que o livro, mesmo que ficcional, tivesse a maior verossimilhança possível.

Entretanto, confesso que, por mais interessante que seja toda a narrativa e a ideia por trás do livro, só me senti verdadeiramente envolvida a partir da metade do livro. Isso porque, a princípio, somos apresentados a várias narrações diferentes e, como são usados codnomes, é difícil se localizar com tão pouco tempo de leitura. Torna-se confuso saber quem está falando, quem está vivendo cada momento e quem está apenas narrando de forma quase que onisciente. Os capítulos são bem curtos e existem várias descrições interessantíssimas, o que ajuda a fazer fluir a leitura, mesmo que ainda não haja muito envolvimento do leitor.

Gosto bastante quando autores exploram diferentes formas de narrar uma história, principalmente envolvendo enredos ricos e personagens complexos. Entretanto, é preciso atentar-se para não deixar o leitor mais confuso do que entretido, e tomar cuidado para que o enredo não perca a profundidade em prol de uma quantidade desnecessária de pontos de vista, como aconteceu em determinados momentos do livro.

“Depois de assumir um disfarce, foi ficando cada vez mais difícil voltar à vida real. Eu imaginava que seria como desaparecer por completo em uma pessoa nova. Para se tornar outra pessoa, primeiro você precisa querer se perder.” Página 197


Os segredos que guardamos é uma boa representação de como os livros desempenham um papel fundamental na construção do pensamento, na criação de um sentimento de pertencimento e como a literatura pode se tornar, inclusive, uma arma de guerra. É um livro que consegue ser extremamente atual, mesmo abordando um contexto no século passado. Lara Prescott leva o leitor por um capítulo da história pouco contado e ainda deixa um trabalho prontíssimo para dar adaptado para as telas.

Gostou da resenha e quer conhecer outra ficção histórica, mas com uma pegada de ficção científica? Então confira Matadouro-Cinco!

“Eles tinham seus satélites, mas nós tínhamos seus livros. Na época, acreditávamos que livros podiam ser armas - que a literatura podia mudar o rumo da história.” Página 141


E além do conteúdo postado no Blog, no YouTube, Instagram e Twitter, o Nostalgia Cinza conta com uma newsletter especial para os amantes da literatura. Além de ficar por dentro do conteúdo postado nas redes sociais, ao assinar a newsletter você tem acesso a conteúdos exclusivos sobre o mercado editorial, literatura e ainda fica à par dos lançamentos mais aguardados. Inscreva-se e receba também essas newsletters preparadas com muito carinho para todo leitor ♥

You May Also Like

0 comentários