OS NOMES DO LIVRO: Nathan Magalhães

by - 18:05


De Ciências da Computação e Informática para o mercado editorial, Nathan Magalhães faz das palavras sua carreira. De criador e editor do site LiteraturaBr, fundador da Editora Substânsia, em Fortaleza, e editor e publisher da Editora Moinhos, na capital mineira, Nathan vai escrevendo seu nome no mercado editorial brasileiro por meio dos livros que revisa e edita, dos autores em quem acredita e nas histórias que publica. Em entrevista para o Nostalgia Cinza, ele fala um pouco sobre sua carreira, os livros que o marcaram como leitor e como editor, compartilha histórias e conta um pouco sobre como é ter uma editora independente em um mercado de gigantes. Nathan Magalhães é um dos nomes do livro da vez.

1. Qual a sua história com a literatura?

Quando eu cursava Informática, no início dos anos 2000, eu aprendia tudo muito facilmente. Não estudava em casa. Como, na época, era um adolescente, de 18-19 anos, e não fazia absolutamente nada (tentava arranjar emprego de meio período, mas não conseguia), um dia ouvi um amigo falando de um livro. Ele falava tão apaixonado que perguntei a ele qual era, ele puxou da mochila e me mostrou. Era o Um estudo em vermelho, do Sir Conan Doyle. Resolvi então dar uma chance. Já que eu não fazia nada, pensei que ler seria um bom passatempo. E foi, quando vi estava lendo quase 70 livros por ano. Dali em diante, não parei. Acabei desistindo do curso de Informática cerca de dois anos depois, e fui tentar cursar Letras. Apesar da literatura, a leitura, de certa maneira, ter estado comigo desde criança, tenho esse momento na minha vida como um ponto crucial para que eu me tornasse no que sou hoje, editor.

2. Como você entrou no mercado editorial?

Eu estava no mestrado, e um pouco antes de entrar, já vinha me interessando por publicar livros de alguns amigos que eu não compreendia por quais razões eles não tinham livros. Conheci o Eduardo Lacerda, da Patuá, online foi um dos poucos, talvez o único, num primeiro momento, que abriu as "portas" para me dar dicas e conselhos de como editar um livro. Ao mesmo tempo, fiz alguns cursos online, naquela época quase nenhuma empresa dava cursos online, apenas a Unil, Universidade do Livro, da Unesp. Fiz alguns cursos e com ajuda do Eduardo eu fui criando a ideia de poder editar livros. Chamei dois amigos, poetas, a quem eu já havia dito que seria eu a editar os livros deles, para fazermos os nossos livros. A ideia seria, durante 6 meses, juntar cada um R$ 100 pra podermos editar o livro do Madjer Pontes, que seria o primeiro. Com a venda do livro dele, editaríamos o do Talles e depois o meu. No caso, até o livro do Talles deu tudo certo, quando chegou o meu, já tinha proposto a eles de abrirmos uma editora juntos, a Substânsia. No Ceará, à época, não havia uma editora pequena em pleno funcionamento. Durante quase 2 ou 3 anos a Substânsia foi referência por lá. E o meu livro nunca saiu, pois preferi dar atenção ao mestrado enquanto publicava livros de outras pessoas da minha terra que já deveriam ter sido publicadas há muito tempo.

3. Você poderia contar um pouquinho a história da Moinhos?
A história da Moinhos é parte do que eu disse na resposta anterior; depois do mestrado, resolvi fazer o Doutorado em Belo Horizonte, estudar a obra da poeta Orides Fontela, e, nesse tempo, como algumas posições divergiam entre nós, pois eu gostaria que a Substânsia realizasse algumas coisas, e não era possível, e devido à distância, resolvi criar a Moinhos, com a Camila, minha sócia e esposa. Pois teríamos mais liberdade para editar, de publicar os autores e autoras latinas que eu já queria publicar há anos, de enviar livros para as livrarias, de vender na Amaxon (mesmo sabendo toda a complexidade em torno dessa empresa), publicar os livros de maneira impressa e digital. Agora, quase 4 anos depois, estamos com cem livros publicados e autores e autoras de algumas partes do mundo. Começamos com apenas 10 livros no primeiro ano, mas no segundo e terceiro demos um salta de quase 40-50 livros por ano. A ideia é manter esse número de publicações e quem sabe, logo mais, aumentar o corpo de profissionais na editora, pois no momento somos nós dois e o Sérgio, que trabalha como Assistente Editorial, sem contar os freelas que têm nos ajudado enormemente com as parcerias que temos feito.

4. Por que sair de Fortaleza para criar raízes em Belo Horizonte?
Como me formei em Letras, fiz mestrado em Literatura Comparada na mesma universidade, creio ser um caminho comum buscar um novo espaço, para conhecer novas ideias, senão eu teria ficado 10-11 anos com os meus professores e professoras. De certo modo, é bom, pois todes já nos conhecemos, mas também é prejudicial, pois fica a impressão que nada novo surge das conversas. Posso estar errado, claro, mas, ao mesmo tempo, a UFMG era vista como um dos melhores doutorados na Letras do País, então resolvi tentar. E daí tudo que aconteceu aqui foi por conta dessa vinda para o Doutorado.

5. Existe algum livro que te marcou profundamente, como leitor?
Mais de um na verdade, mas costumo dizer que Graciliano Ramos tem culpa. Li quase tudo dele, do Guimarães, do José Lins do Rêgo, foram os três grandes autores brasileiros que me ganharam no início, e realmente li praticamente tudo deles. Mas foi o Ramos que me fez ler o Dostoievski, num prefácio o Carpeaux falava que o Graciliano era nosso Dostoiévski brasileiro. Eu, sem saber quem era esse louco, fui atrás, até ler Crime e Castigo, depois de Ramos e de Dostoiévski, e seus livros "Memórias do Cárcere" e "Crime e Castigo" eu nunca mais fui o mesmo. Eu literalmente senti o meu cérebro se expandir. Ao lado deles, "A história da riqueza do homem", de Leo Huberman, mudaram muito da minha vida.

6. Você escolheu se especializar em poesia, certo? Por quê?
Você diz isso por causa do doutorado? Ou por causa das publicações? Olha, não sei, não sei mesmo. Eu leio muita poesia, nos últimos meses tenho focado apenas na Orides e em alguns poetas que há tempos quero ver publicado no Brasil. Talvez seja por isso também, por ser leitor de poesia, e querer e poder editar algumas obras eu tenha focado nisso. A poesia é vista como um gênero que não vende, eu não consigo aceitar isso, posso concordar em partes, porque acredito que isso só acontece porque somos todes submetides a isso. Imagine você se as editoras enormes do país, se dentro da sala de aula se publicasse mais poesia, se divulgasse mais poesia, se lesse mais poesia, o que você acha que aconteceria? Venderíamos mais? Acho que um pouco mais. Eu sei que, como dizem muitos, desde Homero... rs... somos apaixonados por histórias, narrativas, mas acredito que a palavra poética é o que nos ganha. Estou pra ver ainda alguém que não pare se vir um sarau acontecendo na rua, alguém que não queira ouvir um cordel. A poesia não salva, mas ela pode acalentar. É como se fosse uma estrofe de música, é como se fosse uma imagem de um filme, então, talvez eu foque na poesia simplesmente porque eu goste e porque, enfim, sou o velho e bom sonhador...

7. Qual foi o livro mais marcante, para você, publicado pela Moinhos?
Hum... Não sei se teve um livro mais marcante. Há alguns livros que eu gosto muito, mas prefiro dizer que há alguns livros que são especiais para mim enquanto leitor e editor. Publicar Como e porque sou romancista do José de Alencar foi algo marcante pra mim, pela minha história de pesquisa sobre a obra do autor. Meu mestrado foi sobre duas de suas obras. Publicar Adília Lopes, por ser uma poeta excelente e ninguém até o ano passado ter lançado a obra dela aqui de maneira isolada. E o livro do Carl Johan, Nona Manhã, porque foi o primeiro livro bilíngue traduzido da língua feroesa no Brasil. O que está à margem é o que me ganha.

8. Para além dos conceitos, o que é, na sua opinião, uma casa editorial independente? Como esse modelo de publicação se difere dos mais comerciais e por que ele é tão importante para o mercado editorial brasileiro?
Olha, eu acho que, independente da questão financeira, é aquela editora que mantém a sua linha editorial firme em um sentido em que não se deixa levar apenas pelo aspecto comercial dos livros, como se diz por aí. Livros best-sellers, que virão filmes, por exemplo, são livros tidos como comerciais, ou livros de artistas famosos, etc. Eu não vejo problema em uma editora independente publicar isso, mas acho que se publica apenas isso me parece que não há uma independência editorial, mas sim apenas uma questão de sobrevivência da empresa e do profissional por trás para pagar as contas e/ou ganhar dinheiro. Pra mim, ser independente é escolher o livro que se publicar. Eu escuto muito o questionamento "Por que você está lançando fulana ou sicrana? Ninguém a conhece..." Bem, eu lanço porque eu quero, mas mais do que isso porque acho importante abrirmos os olhos para além do imperialismo britânico e americano. Há muito mais literatura no mundo. Alguém já leu mais de 1 livro por ano de latinos, de hispânicos? Alguém já quis ler mais a literatura nórdica, asiática? A turca, a geórgia, a de flandres, etc? É isso o que me move, é o mercado desconhecido, os nomes "perdidos" pelo mundo que me interessam. A literatura brasileira é meu amor, nunca vu deixar de publicar ela, mas há muitas editoras, de amigos e amigas, que tem feito um excelentíssimo trabalho nesse campo, então por qual razão eu não posso tentar trazer coisas que podem agregar também? Tudo isso antes deu falir, claro. rs. Porque publicar esse desconhecido tem um risco, alto, mas tudo na edição é aposta, então prefiro apostar no que eu acredito. Ser independente, pra mim, é isso, é seguir uma linha editorial que você acredita. E, claro, posso estar, novamente, totalmente equivocado.

9. Quais as principais dificuldades de manter uma editora atualmente? 
Acho que a venda e a divulgação. Para nós, da Moinhos, que somos três pessoas é muito difícil cuidar de todas as áreas da editora. É quase impossível na verdade, e publicando um número razoável de títulos fica mais difícil. Verdade seja dita que nos próximos anos temos o objetivo de diminuir o número de publicações e, talvez, chegar a um número de 25 publicações ao ano apenas.

10. Existem vantagens que uma editora independente tem em relação às comerciais?
Olha, se existem vantagens, acho que seria algo próximo do que eu respondi antes, de poder tomar as decisões que você acha melhor pra sua editora. Ao mesmo tempo, há a vantagem de você conhecer de mais perto seu público e as pessoas que você publica, acho que somos um pouco mais humanos nas relações interpessoais.

11. Como é o dia a dia de um editor independente?
Olha, das outras pessoas eu não sei, mas é estar 8 horas na frente da tela do computador e passar o dia, às vezes, a noite toda, revisando, respondendo email, fazendo arte de divulgação, release, pagando conta, pedindo isbn, emitindo nota, emitindo boleto, indo nos correios, fazendo inscrição para feiras, indo para as feiras, tentando vender, cadastro, cadastro em muitas coisas... é bem cansativo...

12. É um senso comum que todo mundo se conhece no mercado editorial, você acha que isso se torna ainda mais forte entre editores independentes? Na sua opinião, existe uma rede de apoio entre editores brasileiros ou é cada um por si?
Não sei. Acho que não. Quando se quer, sim, mas normalmente não é o que vejo, não é o que percebo, nem sinto. Tenho dito por aí que algumas pessoas na frente do palco são todas coletivas, estão todas abertas para ajudar, mas por trás, na conversa do bar, no email "sombrio", ninguém nunca pode fazer nada (ou não quer fazer). As parcerias, por mais que sejam ótimas, não acontecem da noite pro dia com muitas pessoas. Eu percebo muito mais que é cada um por si. No entanto, sempre tento estar rodeado de pessoas que pensam próximos ao que penso, não quero que pensem somente igual, mas pessoas que acreditam que fazer algo é o melhor caminho. Então, tenho tido essa sorte. Mas, como disse, quando querem se unir, a categoria, conseguem muitas coisas, como tem acontecido com alguns grupos de editoras que estou envolvido e tenho visto uma evolução nesse quesito de realizar ações em prol de todes de maneira coletiva. Mas isso é algo de agora, e não é algo que eu tenha visto sempre nesses sete anos de edição.

13. Você é um editor que se expressa abertamente nas redes sociais sobre o momento político que o país está vivendo. Como você vê isso sendo refletido no mercado editorial?
Hum... Difícil. Não sei se sei responder a isso. Eu tenho percebido que a polarização tem atrapalhado muito, ao mesmo tempo em que a política tem prejudicado muito o mercado da cultura no país, é só ver o que o governo tem feito com tudo que é cultural. Desse modo, as pessoas com menos grana no bolso vão comprar menos livros, e isso acaba sim prejudicando as publicações, aumentando as demissões, etc. O mal-estar no Brasil é justamente por causa da política, mas política não só dos governantes, eu tenho culpa, você, todes nós temos. E é um problema não querer ou não conseguir enxergar isso. A mudança é drástica e vai demorar, talvez, agora, com esse governo, coisa de 20 a 30 anos.

14. Como os leitores podem ter mais contato com as publicações das editoras independentes? Como o público pode ajudar esse nicho a competir um pouco mais com as editoras comerciais?
Google. Quando você vai comprar uma roupa, um calçado, pedir uma pizza, o que você faz? Pesquisa, não é? Compara. Por que isso não pode ser feito com a editoras? Mas o público não liga muito para editoras. Se engana quem pensa assim. Quando é o público fiel, ok, mas o público em geral não liga para qual editora o livro foi publicado, rs. Mas a verdade é que o público que acompanha suas editoras deve sempre comprar os livros da editora, independente do local, se livraria, amazon ou direto. Sempre vai ser melhor que comprem diretamente de nós, porque nossa margem aumenta, mas, ao mesmo tempo, se isso acontecesse em massa, o mercado deveria repensar se precisaríamos de livrarias, distribuidores, etc, o que seria ruim pro mercado do livro, então, a ideia é comprem livros de editoras independentes, conheçam os seus catálogos, visitem seus sites, acompanhem as redes sociais, tentem dar uma chance para a contemporaneidade brasileira, não são só os europeus ou americanos que sabem escrever, aqui nesse continente brasílico há inúmeras pessoas que tem merecido muito mais atenção.

15. O que você diria para alguém que está entrando no mercado editorial agora?
"Tem certeza que é isso que você quer?"

16. Que conselho você gostaria de ter recebido quando decidiu construir uma carreira no mercado editorial brasileiro?
Todos os que eu gostaria ter recebido, eu recebi. Eu tive essa sorte. Mas, talvez, de início, alguém pra dizer, Nathan, desacelera, tenta compreender o quadro todo, não apenas as partes isoladas. Isso teria ajudado no início, mas cá estamos e a vida segue com #Lulalivre #Elenão

Conheça mais sobre a Editora Moinhos e seu catálogo clicando aqui.

You May Also Like

0 comentários