Resenha: Ikigai

by - 13:36


Ultimamente tenho me interessado cada vez mais por livros com premissas de ajudar a encontrar algum tipo de propósito, mas que fogem das convencionais narrativas de autoajuda. Ikigai me chamou a atenção logo de cara, tanto pela capa maravilhosa quanto pela abordagem de hábitos orientais. Assim que comecei a ler entendi porque é um livro que merece um lugar na minha estante.

Quer saber por que ele merece um lugar na sua estante também? Então confira a resenha de Ikigai:

"Por que existem pessoas que sabem o que querem, enquanto outras definham na confusão? Segundo os japoneses, o segredo é encontrar seu ikigai, conceito que pode ser traduzido como razão para viver. Ter um ikigai claro e definido proporciona a satisfação e o propósito que justificam nossa existência, sendo, para muitos, também a chave da longevidade.
Em Ikigai: Os segredos dos japoneses para uma vida longa e feliz, os autores Francesc Miralles e Héctor García vão até Okinawa, a ilha japonesa de população centenária, e reúnem pela primeira vez em livro os hábitos e rotinas que mantém em dia a saúde da mente, do corpo e do espírito daquele povo. Um guia com informações claras e sucintas, além de listas, tabelas e ilustrações que colocam em suas mãos as ferramentas certas para entender e encontrar seu ikigai."


FICHA TÉCNICA

Título: Ikigai
Autores: Francesc Miralles e Héctor García
Ano: 2018
Páginas: 208
Idioma: Português 
Editora: Intrínseca
Nota: 5/5
Compre: Amazon
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza
LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA



Ikigai é uma mistura bem interessante de reportagem, artigo, autoajuda e reflexão. Os autores mesclam um pouco de cada um desses elementos para produzir um conteúdo muito dinâmico, interessante e informativo. Ikigai traz um apanhado de curiosidades sobre o Japão, é um livro bem interessante para aprender mais sobre a cultura nipônica nos aspectos que mais nos são úteis. O livro traz uma gama de dicas que vão desde pequenos detalhes que podem virar hábitos como a maneira de levantar da cama e os pensamentos envolvidos no processo até a forma como vemos a vida e o propósito de vivê-la.

“Cedo ou tarde, todos teremos que enfrentar momentos difíceis, e a forma como lidamos com eles pode significar uma grande diferença em nossa qualidade de vida. Treinar a mente, o corpo e nosso estado emocional resiliente é fundamental para enfrentarmos os contratempos da vida.” Página 175


Já no começo do livro os autores nos apresentam conceitos diferentes sobre ikigai: razão de ser, a felicidade de estar sempre ocupado, um sentido maior para viver, propósito, dentre outros. Apesar de não fornecer elementos suficientes que nos ajudem a encontrar o nosso próprio ikigai, como parecia ser a proposta, é um livro muito interessante e repleto de lições que podem ser aplicadas aos poucos e novas maneiras de pensar sobre questões aparentemente banais.


Os autores também fazem entrevistas com alguns dos supercentenarios. Supercentenarios são aqueles que passam dos 110 anos. Nos curtos relatos essas pessoas contam um pouquinho do seu segredo da longevidade e compartilham reflexões e experiências. É interessante ler um pouco sobre a longevidade vindo justamente das pessoas que vivem tanto e tão bem. Enquanto alguns brincam sem saber como vivem tanto, outros fornecem pequenos conselhos que podem ajudar a tornar nossa vida mais saudável.

O livro segue o estilo que venho percebendo nos livros da Intrínseca que tem como foco a realização pessoal, autoestima e saúde mental. Ele não é todo escrito em texto corrido, pelo contrário, é cheio de quebras na narrativa. Isso é feito por meio de gráficos, tabelas, ilustrações, depoimentos, dados em forma de lista etc. São recursos que, além de acrescentar muita informação e tornar o livro ainda mais rico em detalhes, torna a leitura divertida e nem um pouco cansativa.

Estou gostando muito dos livros que a Intrínseca tem publicado com um viés de auto ajuda, mas que são diferentes dos livros do gênero que vemos por aí. São livros que têm como objetivo fornecer um conteúdo reflexivo e de auto ajuda mas que optam por ferramentas diferenciadas para isso. Seja pela linguagem, pela estrutura narrativa, pela escolha do foco ou do recorte, como é o caso de Ikigai, que opta por analisar a comunidade com o maior número de centenários do mundo e, com base nisso, mostrar hábitos e modos de ver e viver a vida que podem nos dar respostas para o segredo da felicidade. O livro não explora de forma extremamente profunda os assuntos abordados, mas essa não é sua proposta. E sua proposta de apresentar cenários, hábitos e segredos orientais é cumprida perfeitamente.

“O wabi-sabi é um conceito japonês que ensina a beleza da natureza perecível, mutável e imperfeita de tudo o que nos rodeia. Em vez de buscar a beleza na perfeição, devemos procura-la no que é imperfeito, incompleto.
Essa é a razão pela qual um japonês valoriza uma xícara de formato irregular, atravessada no meio por uma rachadura.
Apenas o que é imperfeito, efêmero e incompleto tem verdadeira beleza, uma vez que, assim, se assemelha à natureza.” Página 180



Além da parte teórica, Ikigai traz dicas práticas e instruções de exercícios que podem ser feitos diariamente e em poucos minutos para aumentar o bem-estar e a qualidade de vida. Ilustrações ajudam a entender como executar o Rádio Taissô, uma série de exercícios muito comuns no Japão para começar bem o dia e movimentar o corpo com consciência. Os autores também falam sobre a saudação ao sol, do yoga, com imagens ilustrativas bem explicativas, sobre o Tai Chi Chuan e seu poder como atividade física consciente, apresentam o Qigong, uma arte oriental que tem como objetivo trabalhar com a força vital do organismo. São tópicos curtos, mas extremamente úteis, principalmente para quem ainda não tem contato com essas práticas e busca algumas coisas novas para acrescentar à rotina.

É curioso observar as diferenças culturais do Japão e como isso é fundamental para definir o que eles têm de tão "mágico" no caminho da felicidade. A palavra "aposentadoria", por exemplo, não existe no vocabulário dos japoneses no sentido de se retirar para sempre. De acordo com um jornalista da National Geographic, "ter um propósito é tão importante nessa cultura que eles não têm noção conceito de aposentadoria". E encontrar um propósito não é o objetivo de todos nós? 


Sempre vi os povos orientais como povos mais evoluídos espiritualmente e mentalmente e é interessante ter um livro que apresente essa perspectiva de forma tão didática e fácil de tentar colocar em prática. Ele faz provocações que nos ajudam a tentar inserir esse contexto na nossa rotina e no nosso próprio estilo de vida.

Ikigai não promete ser um livro que traz a solução de todos problemas que nos afligem diariamente e não ajuda, de fato, a encontrar nosso próprio ikigai, mas traz dicas e reflexões que podem, ao serem incrementadas na rotina, ajudar a tornar o dia a dia mais leve, promover o bem-estar, aumentar a qualidade de vida e apontar um caminho de plenitude. Quem sabe, ao transformarmos essas dicas em hábitos, possamos encontrar nosso ikigai?

Gostou da resenha e quer conhecer outro livro da Intrínseca que promete te fazer olhar as coisas de um jeito diferente? Então confira a resenha de A sutil arte de ligar o f*da-se!

“Cuidar das amizades, ter uma alimentação leve, descansar de maneira adequada e praticar exercício físico suave fariam parte da equação da saúde, mas o centro dessa joie de vivre, a alegria de viver que os impulsiona a envelhecer e continuar celebrando cada novo dia, está no ikigai pessoal de cada um.
O objetivo deste livro é aproximá-lo dos segredos dos japoneses centenários para uma vida saudável e feliz e oferecer ferramentas para que você descubra seu ikigai.
Quem encontra seu ikigai carrega consigo tudo o que necessita para uma travessia longa e feliz.
Boa viagem!” Página 15



Quer ficar por dentro de todos os posts do Nostalgia Cinza? Então assine a newsletter! É só colocar seu email, prometo não encher sua caixa de entrada <3 

You May Also Like

16 comentários

  1. Adorei sua resenha, entretanto, essa vertente literária não é uma de minhas favoritas.
    Logo, eu vou deixar passar essa dica!!

    Beijinhos

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    Não fazia ideia do assunto que o livro tratava, mas gostei bastante dessa temática diferente para falar de auto ajuda.
    Gosto de livros que me acrescentam no dia a dia, ou que até mesmo me ajudam a desacelerar.
    Amei suas fotos.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Eu ainda não conhecia esse livro, achei bem interessante essa temática que ele traz. Mas, apesar de gostar bastante da cultura nipônica, infelizmente esse não é um gênero que eu goste de ler, então não vou poder aproveitar sua dica.
    Beijos
    https://www.manuscritoliterario.com.br

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia esse livro, mas me chamou muito a atenção, por ser uma cultura diferente da que estamos habituados e é sempre interessante estar aberta a conhecer novas.

    Suas fotos ficaram lindas

    Beijos da PINGUIM TAGARELA

    ResponderExcluir
  5. A cultura japonesa já é algo magnífico que desperta a curiosidade em aprender mais, e esse livro só despertou mais ainda o meu interesse. Amei a indicação, um grande beijo

    ResponderExcluir
  6. Achei interessante. Apesar de não gostar da cultura japonesa, achei a ideia do livro bem legal.

    ResponderExcluir
  7. Que livro interessante! Admito que se eu o visse em alguma loja não o compraria e talvez não me chamaria a atenção, apesar de eu gostar da cultura japonesa, mas apos ler sua postagem me pareceu ser um livro legal de se ler

    ResponderExcluir
  8. Como que eu ainda não conhecia esse livro?! Também amo estudar e ler sobre os habitos orientais e só por esse fator já quero esse livro rs confesso que vc ter tirado foto de algumas páginas me deixou ainda mais curiosa para saber tudo :)

    ResponderExcluir
  9. Acho que nunca li nenhum livro nesse estilo e até agora também nem tinha tido vontade de ler mas tua resenha conseguiu despertar minha curiosidade. Achei legal essa proposta de um autoajuda um pouco diferente.
    Ultimamente eu tenho pensado em investir em livros que vão acrescentar algo de significante na minha vida e esse parece ser uma boa escolha. Vou adicionar ele na minha wishlist :D

    ResponderExcluir
  10. O que dizer dessa resenha? Adorei. Não tenho o costume de ler livros com essa temática, porém achei realmente bem interessante a premissa e anotei.

    ResponderExcluir
  11. Tudo que me parece diferente me chama a atenção...Gostei muito..
    www.robsondemorais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Bom dia! No Skoob vi que tem lido bastante sobre literatura de propósito, na sua opinião, quais são os top 5 livros desse segmento?

    ResponderExcluir
  13. Oi,
    Que capa linda, faz tempo que não leio livros desse segmento. Adorei sua resenha e vou anotar a dica, é sempre bom ter um guia de como organizar algo, ter um norte para as próximas atitudes.

    \beijokas

    ResponderExcluir
  14. Oi Laura!
    Eu não costumo ler esse tipo de livro, mas confesso que ter um vida longa e feliz me atrai muito, kkkkk. Sem contar que essa capa é linda, vai fazer sucesso na minha estante.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Olá Laura. Adorei a resenha. E as fotos do livro estão lindas! Li e recomendo Ikigai. Gosto muito do gênero auto ajuda. As pessoas tem um certo preconceito com esse tipo de leitura. No meu caso, foram essas obras que me conduziram para o autoconhecimento, consequentemente, meu próprio Ikigai. Tanto que, desse processo de transformação pessoal, encontrei o meu propósito e me tornei escritora. Gosto muito da cultura oriental - seja ela indiana, chinesa ou japonesa. Suas crenças e costumes milenares propõem que sejamos "amorosos" conosco afim de encontrar sentido para a vida. Percebo ao meu redor pessoas que mesmo aparentemente felizes, suas feições demonstram o contrário. Elas não vivem seus Ikigais. Eu já estava querendo fazer Tai Chi, e depois de ler o livro estou empenhada a começar. Mais uma vez, parabéns pela ótima resenha. Bjos, Namastê.

    ResponderExcluir