Resenha: Vejo você no espaço

by - 15:22


Depois de Em algum lugar nas estrelas fiquei curiosa para ler mais livros que tivessem crianças como protagonistas das narrativas. Vejo você no espaço acabou chegando na hora certa. Com uma temática doce, o livro de Jack Cheng transparece toda a inocência da infância com um toque de aventura.

Quer saber um pouco mais sobre o livro? Então confira a resenha de Vejo você no espaço:

“Alex tem onze anos e adora o espaço sideral, foguetes, sua família e seu cachorro, Carl Sagan - uma homenagem a seu maior herói, o astrônomo autor de Cosmos e Pálido ponto azul. A missão de vida de Alex é enviar seu iPod dourado para o espaço, do mesmo jeito que Sagan (o cientista, não o cachorro) enviou os Discos de Ouro nas sondas Voyager, em 1977, com sons e imagens da Terra, a fim de mostrar aos extraterrestres como é a vida no nosso planeta. Por isso, Alex constrói um foguete. E por isso ele viaja do Colorado ao Novo México, de Las Vegas a Los Angeles, gravando tudo o que acontece pelo caminho. Ele encontra pessoas incríveis, gentis e interessantes, desencava segredos e descobre que, mesmo para um menino com uma mãe complicada e um irmão ausente, família pode significar algo bem maior do que se imagina.”


FICHA TÉCNICA 
Título: Vejo você no espaço
Autor: Jack Cheng
Ano: 2018
Páginas: 288
Idioma: Português 
Editora: Intrínseca
Nota: 3.5/5
Compre: Amazon
Comprando por esse link você ajuda e incentiva o Nostalgia Cinza
LIVRO CEDIDO EM PARCERIA COM A EDITORA



Vejo você no espaço chama a atenção logo de cara por causa de sua característica essencial: o livro todo é uma grande transcrição das gravações em áudio de Alex, o que faz com que o livro tenha uma estrutura narrativa bem interessante. Cada capítulo representa uma gravação feita por Alex, um garotinho de onze anos fascinado com o espaço e fá número um de Carl Sagan. A escrita é toda feita com base em relatos orais, como se fossem transcrições exatas das falas de Alex. O livro é uma grande conversa em que o leitor é convidado a se colocar no papel de espectador e escutar as histórias doces e reflexões inocentes de um garotinho criativo, inteligente e apaixonado pelo espaço.

Sempre fico receosa quando autores optam por contar suas histórias exclusivamente por meio de páginas de diário, trocas de e-mail e, nesse caso, gravações. Gosto de mergulhar em histórias com narrativas descritivas, com diálogos e reflexões mais embasadas. Entretanto, as transcrições se encaixam bem com a proposta do livro e dão um toque diferente à leitura, com certeza a experiência não seria a mesma se o livro fosse narrado de forma padrão.

“Talvez vocês morem em um planeta gelado, onde todos vivem em iglus em vez de casas. Talvez tenham picadores de gelo no lugar das mãos, raquetes de neve nos pés, e o corpo todo coberto de pelos castanho-claros que nem o Carl Sagan. Carl Sagan é o meu cachorro. Ele tem esse nome em homenagem ao meu herói, um dos maiores astrônomos da atualidade.” Página 7


À medida que Alex vai conhecendo novas pessoas e incluindo-as em sua jornada, as gravações passam a contar com diálogos que interrompem seus fluxos de pensamentos. O que antes parecia ser uma narrativa totalmente em primeira pessoa e em tom de diálogo se torna uma mistura de reflexões e conversas. O leitor passa do papel de interlocutor para espectador da trama.

O livro todo é uma grande jornada de Alex por alguns estados norte-americanos, podemos acompanhar o percurso do momento em que ele se inicia até o final da sua trajetória. É uma forma interessante de manter a narrativa sempre contínua, sempre em movimento. É uma verdadeira aventura que tem como base acontecimentos simples como a ida a festivais, viagens de carro, começos de novas amizades etc, com o toque que apenas uma criança consegue dar. 

Alex tem todas as características de uma criança: dócil, ingênuo, curioso, verdadeiro, bondoso e aventureiro. O que o difere das outras é sua inteligência única, muito bem colocada em diversos diálogos ao longo da trama. Jack Cheng consegue bem passar a essência de uma criança com seus questionamentos ao mesmo tempo profundos e inocentes, com sua animação em relatar os acontecimentos mais banais com um toque de mágica que só uma criança consegue dar.

Alex consegue transformar todo e qualquer assunto em uma pauta nova e surpreendentemente reflexiva, desde o fato de se questionar a respeito de hábitos extraterrestres até o motivo que faz o coração de um homem apaixonado bater de forma diferente. É comum passar as páginas com alguns sorrisos no canto da boca, é como se estivéssemos mesmo diante de um garotinho simpático e extremamente criativo.

“A propósito, vocês conhecem alguma piada de astronomia? Porque eu estou sempre querendo ouvir boas piadas. Eles responderam que não, então contei a eles uma das piadas que sei.
Por que a vaca foi para o espaço?
Porque ela queria ver o vácuo.
Primeiro, ninguém riu, e achei que eles não tinham entendido a piada, então expliquei “A graça é que vácuo parece ‘vaco’, ou seja, namorado da vaca, mas claro que, na realidade, não dá para ver o vácuo, porque o vácuo é o vazio absoluto, entenderam?” Página 50.

Além da capa linda, com uma ilustração tão doce quanto o livro, a diagramação não é muito inovadora, mas é agradável e permite uma leitura fácil e bem fluida. O acabamento do livro é em soft touch com hot stamp e cores em pantone, o que dá um toque mais chamativo ao livro.


Apesar de ser uma leitura agradável e muito tranquila, o livro não inova em nada além da estrutura narrativa. A jornada do herói é bastante previsível, os personagens coadjuvantes não chamam a atenção e o livro tem pouquíssimos momentos de clímax em que o leitor realmente fica surpreso ou ansioso com algum acontecimento. Por ser um livro que tem um mesmo ritmo na maior parte do tempo, falta um estímulo maior para passar as páginas com curiosidade. Vejo você no espaço é um daqueles livros extremamente fácil de ser lido de uma vez, mas que não prende tanto para tal. Confesso que precisei me forçar a continuar a leitura diversas vezes ao dia, enquanto esperava sentir vontade de devorar o livro inteiro. É uma leitura que, por mais agradável que seja, fica um pouco monótona em alguns pontos da narrativa.

Entretanto, os diálogos são pontos altos, principalmente aqueles conduzidos por Alex e seus questionamentos inocentes, típicos de uma criança de onze anos. Seus pensamentos rendem boas risadas e até mesmo reflexões. A maior parte das pessoas subestima a capacidade das crianças de nos surpreender e pensar além de seu tempo, então Alex surge como um personagem de personalidade bem marcante e muito cativante. Dá vontade de sentar com ele e ouvir suas divagações a respeito do universo e de como ele enxerga a vida. Me lembrou bastante Extraordinário ao retratar uma criança determinada, forte e muitas vezes subestimada por aqueles que não conseguem dar valor à sua pureza.

É interessante observar como Jack Cheng conseguiu transmitir bem a forma de uma criança ver o mundo e se relacionar com as pessoas. Perdemos muita dessa desenvoltura ao longo da vida e é bom sentir um calorzinho no peito ao entrar em contato com essa criança interior, mesmo que seja por meio de um personagem literário como Alex.

Vejo você no espaço é um livro doce, tranquilo e, apesar de não prender a atenção como esperado, traz uma sensação gostosa de infância e inocência. É uma leitura para relaxar e sair de si um pouquinho. 

Gostou da resenha e quer conhecer um pouco mais outro livro da Intrínseca? Então confira a resenha de Razões para continuar vivo!

“Quem são vocês?
Como vocês estão?
Têm uma cabeça ou duas?
Mais de duas?
Sua pele é morena-clara como a minha, cinza e lisa como a de um golfinho ou verde e espinhenta como a de um cato?
Vocês moram em casas?
Eu moro. Meu nome é Alex Petroski e minha casa fica em Rockvier, Colorado, nos Estados Unidos, planeta Terra.” Página 7.


Quer ficar por dentro de todos os posts do Nostalgia Cinza? Então assine a newsletter! É só colocar seu email, prometo não encher sua caixa de entrada <3

You May Also Like

24 comentários

  1. Esse livro me lembrou uma obra maravilhosa de Jostein Gaarder "Ei, tem alguém ai" que conta uma história semelhante a de Alex.
    Adorei a criatividade de fazer a narrativa com os áudios do menino ♥ Preciso ler o livro e fazer uma comparação com a obra de Gaarder.

    ResponderExcluir
  2. Já vi bons comentários sobre esse livro. Tive oportunidade de pedir para leitura, mas deixei passar, pois apesar dos ótimos comentários, ainda assim não fiquei lá muito animada.

    Eu curto livros leves conforme descreveu, que apesar de não trazer grandes surpresas ou te prender te remetem a infância. Vou deixar como dica anotado.. Para dias de ressaca. Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Laura tudo bem? Apesar de não ser inovador, me chama bastante atenção. Confesso que prefiro jornadas infantis do que adolescentes e a história do protagonista parece ser ótima. Também gosto das narrativas padrões, mas acho interessante quando os autores saem do lugar comum. Não conhecia a obra, mas dica anotada!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Ainda não tive a chance de ler esse livro, mas a ideia da trama me pareceu bastante interessante. É uma pena que não tenha achado uma leitura tão envolvente. Já vou baixar minhas expectativas por aqui...
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  5. Oi Laura! Que fofura esse livro! Gostei de verdade! Achei muito lindinho o modo que o autor criou a história, a partir das gravações do personagem. Adoro livros com protagonistas crianças, e achei sensacional ele ser fã de astronomia e sair coletando experiências de vida, com pessoas e mostrando lugares para uma possível vida extra terrestre. Fiquei encantada! Sem mencionar que pela visão de uma criança, temos muito mais sentimento e pureza nos pensamentos, o que deixa tudo mais agradável ainda. A edição é muito linda! Obrigada pela resenha!


    Bjoxx – www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  6. Por mais que você tenha dito que a trama não seja inovadora, achei a história bem interessante e tenho certeza que vai virar um dos meus livros favoritos por falar do espaço e ser através do ponto de vista de uma criança, isso me chamou atenção e fiquei curiosa pra conferir!
    Amei suas fotos!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  7. Oi Laura!

    Tudo bem? Ainda não conhecia o seu blog, mas achei ele bem fofo <3 e as fotos do post estão maravilhosas!

    Eu acho que não encararia a leitura por ser mais do mesmo, gosto de tramas cheias de coisas novas e rumos inesperados, mas quando percebo que o livro é mais do mesmo já fico imediatamente desanimada e com tendência de abandonar a leitura porque começo a comparar a leitura com o que eu já li e gostei. Muitas vezes também descubro o final antes mesmo de ter chegado à metade do livro e isso é totalmente sem graça para mim.

    Que bom que gostou da leitura, mas é uma pena que não tenha te prendido, acho que vou passar o livro.

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    A capa é muito bonita, e achei bem interessante essa questão da narrativa com os áudios. Apesar de você falar que a leitura não prende a atenção como deveria, estou precisando de leituras mais doce e tranquila. Dica anotada!
    Bjos

    www.momentosdeleitura.com

    ResponderExcluir
  9. Que blog lindinho!
    Adorei sua descrição e voltarei mais vezes.
    Apesar de não ser um espaço físico, é bastante aconchegante!
    Gostei de sua resenha, apesar de ainda estar confusa sobre ter gostado do livro ou não. rsrs
    Talvez eu não gostaria do tipo de escrita do Alex ou talvez eu não acharia crível que um garotinho de 11 anos possua uma escrita tão embasada.
    Não sei... Mas acho que meus sobrinhos iriam gostar e por que eu ou amo, compraria para eles o livro, sim!
    Gostei da estrutura da sua postagem, suas fotos e dos quotes escolhidos.
    Parabéns pela dedicação!
    Beijinhos!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  10. Eu gosto de enredos narrados pelos olhos de uma criança, têm sempre uma sensibilidade e inocência que encantam. A forma como é narrado também é um ponto que me chama a atenção, até pq saímos um pouco da nossa zona de conforto. Mesmo não sendo, como vc disse, um enredo surpreendente, acabou conquistando meu desejo de ler também. Adorei a resenha.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Essa história deve ser linda. Sou fã de livros narrados por crianças. São sempre motivadores, sensíveis e me deixa muito envolvida com a narrativa. Acredito que me encantaria com essa leitura e mesmo não sendo um enredo bem diferente vou procurar pra conhecer.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?

    Não conhecia a obra e achei interessante o livro ser dessa forma. Li poucos livros onde o personagem principal era criança, e o que mais me marcou foi Extraordinário. Não é meu tipo de histórias, mas para relaxar ou sair de uma ressaca literária é uma boa pedida. Vou anotar a dica e espero ler em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Não é uma história que eu queira ler. Não estou num momento em que encararia um livro que você mesma considerou monótono apesar dos pontos positivos. E a estrutura narrativa não me atrai. Até leio livros construído todo através de diálogos, mas sempre prefiro aquela narrativa mais densa, com descrições, que nos permite conhecer os pensamentos dos personagens. Amo história epistolar, toda escrita em forma de cartas, pois as que li são bem profundas. Mas construído em diálogos não curto muito.

    ResponderExcluir
  14. Oi Lau!

    Eu tenho um problema com livros que possuem esse estilo de narrativa, eu sempre acabo achando tudo muito vazio pela falta de descrição e da narrativa padrão. Acho a proposta bem legal, conheço pouco do livro e da história, mas acho que irei gostar :)

    beijos!

    ResponderExcluir
  15. Quanta foto linda nesse post! Eu adoro livros com crianças entre os protagonistas, meu coração já fica apertadinho com medo de que algo aconteça hahaha acho bacana a inovação em relação à transcrições, nunca li nada assim, apesar da obra ser previsível, fiquei curiosa.

    ResponderExcluir
  16. Olá,

    A primeira coisa que me chama a atenção nesse livro é a capa, sério! Só por essa capa eu leria fácil, fácil. Acho a premissa desse livro bacana, histórias com criancas protagonistas são uma boa pedida.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oie!

    Eu amei a capa dessa obra, mas a proposta dela hoje em dia não me desperta mais o interesse, mas irei indicar para uma amiga, ela com certeza irá devorar essa história em uma sentada!

    Bjss

    ResponderExcluir
  18. Eu amo enredos assim e acho que os autores que conseguem passar par ao pale sentimentos infantis e inocentes, tem um lugar especial no meu coração. Amei a dica.
    beijos

    ResponderExcluir
  19. Hey, tudo bem?
    Eu ainda não li esse livro, mas tenho muita vontade de ler por conta da capa e da premissa. confesso que sua resenha me deu uma leve desanimada por o livro não ser inovador em sua construção. Outra coisa, senti que o livro é até um pouco mais do mesmo, sabe? Entretanto, acho que não posso fundamentar minha opinião com suas impressões e dizer que não gosto, então, vou anotar a dica.
    Adorei a sua sinceridade e a forma como você escreveu sua resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Oie!
    Achei bem interessante a proposta do livro mesmo não sendo o que eu estou acostumada a ler normalmente. Uma pena a história não ter dado muito certo para ti, mas o que mais me chamou a atenção na sua resenha foi a sua sinceridade e isso que conta.

    Beijos,
    Mayara

    ResponderExcluir
  21. Olá, tudo bom?
    Apesar de ser um livro que não inova em nada em questões de estrutura narrativa e que não nos permite uma proximidade maior com os personagens secundários, quero muito ler esse livro narrado por este garotinho, através de suas gravações e conhecer a forma como ele transforma qualquer assunto em algo reflexivo. Simplesmente amo livros narrados por crianças, então, já anotei a sugestão! ♥

    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Não conhecia o livro e não leria por dois motivos: não gosto de histórias com crianças e essa narrativa em forma de transcrição não me agrada. Já li livros com partes nesse estilo e não gostei.
    Juntando isso ao fato de você falar que é previsível e não inova formou o pacote completo para eu não querer ler mesmo. Rss

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  23. Quando vejo um livro da Intrínseca já acabo, meio involuntariamente, pensando que deve ser uma ótima leitura. Mas aí vi a sua nota (adoro isso de dar nota ao livro, também faço), e o livro (que tinha me encantado pela capa), já deixou um pouquinho de me interessar.
    Pela sinopse vi que não é o meu tipo de leitura. Achei meio "bobo", infantil. Depois de ler sua resenha cheguei a conclusão de que a leitura para mim realmente não valeria à pena.
    Beijos. Versos da Alma

    ResponderExcluir
  24. Oi Laura! Tudo bem?
    Achei a proposta do livro interessante e com certeza seria uma leitura que eu faria. Mas não pude deixar de reparar em um detalhe muito curioso, ainda que pareça meio irrelevante, ou talvez ele seja proposital: um desecendente de chineses escrevendo um protagonista que descende possivelmente de russos, rs.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir